"Ir para o conteúdo principal"

Tecnologia e experiência em cenários adversos

No fundo, no fundo, é dos cenários mais desafiadores que tiramos nossa energia.

Somos um dos maiores operadores offshore do mundo e o segundo maior provedor de gás para a Europa. Operamos mais de 40 campos de petróleo e gás na Noruega e diversos outros no mundo.  

Há 40 anos, testamos os limites da imaginação e da tecnologia, buscando encontrar e desenvolver ativos de qualidade, seja em águas profundas ou novas fronteiras. Somos reconhecidos como a empresa líder em recuperação avançada de reservatórios – buscando extrair mais de campos considerados maduros ou em curva descendente de produção. 

Temos no Brasil um portfólio diversificado, com 15 licenças em diferentes estágios de desenvolvimento, desde a exploração até a produção.

ÁREAS EM PRODUÇÃO

Credit-Ole Jørgen Bratland-Copyright-Equinor-Peregrino B-2205237_1280x486.jpg

Conheça nossos dois campos em produção: Peregrino e Roncador.

ÁREAS EM DESENVOLVIMENTO

equinor-footer image-brasil_1280x486.jpg

Dois de nossos mais importantes e desafiadores projetos estão no Brasil: Bacalhau e BM-C-33. 

Áreas em exploração

Credit - Trond Isaksen -  Statoil - People and office working environment, Bergen - 1158801_1280x486.jpg

Temos um portfólio de exploração diversificado, com áreas nas Bacias de Campos, Santos e Espírito Santo.                                        

Credit-Ole Jorgen Bratland-Copyright-Equinor-Peregrino B-2205308._1280x448.jpg

ÁREAS EM PRODUÇÃO

Peregrino, mais de 200 milhões de barris produzidos de forma segura.

A Equinor produz petróleo e gás no Brasil desde 2011, quando entrou em operação o campo de Peregrino, na Bacia de Campos, nossa maior operação internacional offshore. Desde então, já produzimos mais de 200 milhões de barris, num dos campos mais desafiadores do país por conta do seu óleo extremamente pesado. 

Peregrino é um dos 15 maiores campos em produção no Brasil, segundo dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Atualmente, produz entre 70 mil a 80 mil barris de petróleo por dia. Nos últimos anos, conseguimos reduzir os custos operacionais de Peregrino em 35%, o que nos ajudará a maximizar a criação de valor no longo prazo e assim estender a vida útil do campo. Isso significa continuar gerando emprego por mais tempo. 

O campo de Peregrino é formado pelas plataformas fixas (WHP-A, WHP-B e a recém-instalada WHP-C) e também pela unidade flutuante de produção e armazenamento (FPSO Peregrino). 

Peregrino é nosso laboratório diário na busca por eficiência de produção. Perfuração de poços com custos mais baixos e menor tempo, e uma gestão de reservatório que almeja extrair o máximo possível de óleo são algumas das estratégias utilizadas para aumentar o fator de recuperação do campo. Já conseguimos aumentar a taxa de 10% para 16% e temos a ambição de melhorar ainda mais. Quanto maior o percentual de petróleo que se consegue extrair de um campo, mais valor se cria a partir de uma única descoberta.

Com o projeto que substituirá o diesel por gás natural na geração de energia em Peregrino, o campo contribuirá com a meta da Equinor em reduzir as emissões de carbono em 2,2 milhões de toneladas entre 2021 e 2040.

Peregrino Fase 2, aumentando a vida útil do campo

O projeto Peregrino fase 2 envolve o acréscimo de uma terceira plataforma fixa ao campo, Peregrino C, que já foi instalada, e que poderá perfurar poços para chegar a reservatórios inacessíveis pelas atuais plataformas A e B. Isso aumentará sua vida produtiva em no mínimo 20 anos e adicionará 250-300 milhões de barris em reservas recuperáveis, com o primeiro óleo previsto para o primeiro semestre de 2021. 

Aumentar a vida útil de um campo é uma tarefa das mais complexas em um projeto. Afinal, é o que vai prolongar sua utilização e consequentemente minimizar o impacto de investimento no longo prazo. 

Pitangola, interligado com a fase 2 de Peregrino

O projeto Peregrino fase 2 envolve o acréscimo de uma terceira plataforma fixa ao campo, Peregrino C, que já foi instalada, e que poderá perfurar poços para chegar a reservatórios inacessíveis pelas atuais plataformas A e B. Isso aumentará sua vida produtiva em no mínimo 20 anos e adicionará 250-300 milhões de barris em reservas recuperáveis, com o primeiro óleo previsto para o primeiro semestre de 2021. 

Aumentar a vida útil de um campo é uma tarefa das mais complexas em um projeto. Afinal, é o que vai prolongar sua utilização e consequentemente minimizar o impacto de investimento no longo prazo. 

Roncador, uma parceria estratégica

Localizado na Bacia de Campos, Roncador é o segundo maior campo produtor fora do pré-sal, com aproximadamente 10 bilhões de barris de óleo equivalente. Atualmente, é o quinto maior campo produtor do país com produção atual de cerca de 170 mil barris de óleo equivalente por dia e cerca de 30 mil boe por dia de gás associado. 

Operado pela Petrobras, a Equinor adquiriu 25% de participação no campo em 2017, e com isso triplicou sua produção no Brasil. 

O objetivo em Roncador é aumentar o fator de recuperação do campo, ou seja, extrair mais petróleo dos reservatórios já conhecidos, por meio da expertise da empresa em recuperação melhorada de reservatórios (na sigla em inglês, IOR – increased oil recovery). A Equinor é reconhecida mundialmente por sua experiência nesta área, tendo atingido fatores de recuperação em diversos campos bem acima da média mundial (para saber mais sobre este assunto, clique aqui). 

O resultado esperado é maximizar a criação de valor e a longevidade do campo Roncador. A ambição é aumentar o fator de recuperação em 10%, aumentando os volumes recuperáveis em 1 bilhão de barris de óleo equivalente (boe). 

Na Noruega, nossa experiência é que continuamos descobrindo e desenvolvendo novas soluções, focando constantemente em novas maneiras de aumentar a produção, e essa abordagem e mentalidade é o que queremos alcançar também em conjunto com a Petrobras no Roncador.

Equinor - EA - Brazil - 73512018_1280x375.jpg

ÁREAS EM DESENVOLVIMENTO

Bacalhau – primeiro projeto no pré-sal a ser desenvolvido por uma operadora internacional

Descoberto em 2012 e adquirido pela Equinor em 2016, Bacalhau (anteriormente conhecido como Carcará) é um projeto localizado no pré-sal da Bacia de Santos com um reservatório de petróleo de excelente qualidade e gás associado, o que o torna uma das maiores descobertas de petróleo da última década no Brasil. 

A Equinor e seus parceiros – ExxonMobil e Petrogal – estimam que as reservas recuperáveis de Bacalhau (incluindo a área Norte de Bacalhau) sejam superiores a 2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe). Para isso, o campo contará com o maior FPSO já visto no Brasil, com capacidade para produzir até 220.000 barris/dia. 

O começo de produção é estimado para 2023/2024.  

BM-C-33, um dos nossos principais projetos de gás natural

No bloco BM-C-33, localizado no pré-sal da Bacia de Campos, tivemos as descobertas de Pão de Açúcar, Gávea e Seat. Os volumes recuperáveis do BM-C-33 são superiores a 1 bilhão de barris de óleo equivalente, o que faz com que este seja um dos principais projetos de gás natural em desenvolvimento no País. A produção neste bloco será faseada e iniciada pela maior descoberta, Pão de Açúcar. 

O bloco foi adquirido no leilão da ANP realizado em 2005 e a Equinor passou a ser a operadora em 2015. Os reservatórios são complexos e localizados a cerca de 3.000 metros de profundidade, uma oportunidade para a Equinor utilizar sua larga experiência como operadora offshore e produtora de gás. 

O projeto preliminar, ainda em fase de discussão entre os sócios – Repsol, Sinopec e Petrobras – prevê a utilização de uma unidade de produção do tipo FPSO conectado a poços produtores. O projeto se encontra agora na fase de desenvolvimento e avaliação, em que o entendimento do reservatório e os estudos de conceito e desenvolvimento são mais aprofundados. 

equinor-offshore-lansscape_1280x375.jpg

ÁREAS EM EXPLORAÇÃO

Inspiração baseada em uma história de exploradores

O projeto Peregrino fase 2 envolve o acréscimo de uma terceira plataforma fixa ao campo, Peregrino C, que já foi instalada, Graças a uma longa tradição marítima e experiência em lidar com ambientes agressivos, construindo sobre uma herança de aventureiros baseado em seu espírito nórdico, a Equinor se tornou uma exploradora líder mundial em petróleo e gás.

A Equinor possui atividades de exploração mundial com o objetivo de se posicionar como uma das principais empresas globais de exploração.

Isso é alcançado através do acesso a novas áreas cultivadas de alto potencial em bacias prioritárias, perfurando poços mais significativos em bacias de áreas selecionadas e obtendo melhorias significativas no desempenho.

Nossa ambição é criar valor superior a cada ano, perfurando com segurança um portfólio de alta qualidade de poços economicamente viáveis.

No Brasil está uma das principais áreas de nossas atividades de exploração.

Nosso portfólio de exploração no Brasil

A fase de exploração precede a fase de produção e tem por objetivo descobrir e avaliar jazidas de petróleo e/ou gás natural.

Temos um portfólio de exploração diversificado no Brasil, com áreas nas bacias de Campos, Santos e Espírito Santo, com potencial de descobertas de alto impacto.